uttam_b

Hoje de manhã, ao acordar senti algo que há alguns meses não sentia, clima de verão. Aquele ventinho quente namorando minha pele, fazendo meus cabelos dançarem uma canção de renovação tropical, e me dando a sensação de estar viva.

 

O verão me traz a transmutação do frio, que é sisudo, triste, fechado, que me deprime. Alguém esta semana me perguntou quais os meus planos a médio e longo prazo, lembro de ter respondido a essência mas esqueci algo muito importante: quero sempre viver no calor, abrir todas as manhã a janela e ter este ventinho gostoso e quente na minha pele, me trazendo alegria e esperança. Quero morar em Cancún talvez, ou qualquer lugar que eu não sinta frio.

 

Quero poder dormir só de lençol, não ter de usar casacos pesados, banhos muito quentes, hibernação voluntária, guarda-roupa em tons cinzentos e sapatos pretos. Quero vinho branco gelado numa espreguiçadeira debaixo do guarda-sol, vestidos curtos e frente-única, quero roupas coloridas, bronzeado na pele o ano todo, quero banho de mar e generosos decotes, quero minhas tatuagens à mostra…quero a lascívia que só o verão me traz.

 

Sim, o calor também deixa minha vaidade mais latente, quero aquelas cantadinhas agradáveis quando coloco uma mini-saia e saio na rua, quero escolher biquínis, calçar sandálias abertas, quero tudo aberto, quero minha alma aberta…aberta para a vida, aberta às possibilidades, aberta a mudanças…quero massagens no meu ego!

 

Não são apenas as roupas que ficam leves no verão, a alma também fica, decepções no verão são mais fáceis de se lidar, é só deixa o sol entrar…as bebidas são mais leves, as comidas, as risadas, os semblantes…eis a leveza de ser!!!

 

Confesso que não vejo a hora de chegar o intervalo, fugir para casa, colocar o biquíni e me atirar ao sol, me entregar a ele e a tudo, me lambuzar de bronzeador e filtro solar, tomar uma água de coco gelada e ficar olhando o mar só para me sentir viva de novo.

 

E as noites? Shakespeare, do alto da sua sabedoria, já escreveu

“Há quem diga que todas as noites são de sonho;

mas há também quem afirme que nem todas:

só as de verão.”  Bom, sou destas últimas, venero uma noite de verão, onde tudo é possível e estamos todos libertos…

Eis o fascínio do verão, a concreta sensação da possibilidade.

 

O que eu quero da vida?

-Simples, quero a leveza dos dias e a mágica das noites de verão para sempre…

 

 

 

Anúncios