joana prado 8Deu. Cansei de ler as farpas da Fernanda Young sobre as capas da Playboy. Já está me soando dum recalque exacerbado. Ok, ela não faz parte do grupo das gostosas que estamparam a publicação nos últimos anos, mas por que razão afinal aceitou o convite pra posar? Sim, aceitou e agora brada aos quatro ventos que nenhuma capa anterior tem dez livros publicados e que vai fazer fotos de bom gosto.

Olha, acho difícil esquálida daquele jeito dar um ensaio que preste. Mas cada uma no seu terreno. Com certeza a Priscila do BBB –maior vendagem de 2009 até então- não tem a pretensão de ser uma romancista ficcional nem dar pitaco na cena literária brasileira. Qual a exata intenção de criticar as modelos voluptuosas das páginas da revista masculina mais vendida no país?

                           A mulher brasileira é, reconhecidamente, mais curvilínea. Que a dona Young está fora dos padrões,  nem se discute. Agora ela pagar de superior só porque tem alguns livros escritos, me desculpe, pega mal. Sobretudo quando a intenção é posar para a Playboy e não dar uma entrevista para a Bravo!. Primeiro, se a moça estivesse tão satisfeita consigo mesma não iria querer se enfiar num terreno que, nem de longe, foi feito pra ela. Não iria precisar provar  a ninguém que é mais sensual que as siliconadas tão em voga atualmente.

                             Posar para a Playboy, no caso dela, virou instrumento de auto-afirmação. Para as outras não, faziam pela fama e pelo dinheiro. Mais digno. Young vai posar para resolver seus complexos. Até Marília Gabriela já afirmou que chega uma hora em que a mulher não que ser chamada de inteligente, mas de gostosa.

                                Chegou a vez de Young, com um biotipo muito mais adequado a um editorial de moda, ser chamada de gostosa. Se ela é casada, deve estar faltando o marido mimá-la com o verbete que dez entre dez mulheres amam ouvir na cama: “gostosa”! Feliz dela que, na falta dum amante observador e sagaz, pode curar as inseguranças posando pra Playboy. A maioria fica encanada com seus grilos e medos sentindo-se inferior dentro de si mesma. Mas depois de todas essas farpas largadas de graça, se essa revista não vender mais que a da Joana Prado- até hoje recorde imbatível de vendagem no país- vai ficar muito feio para a intelectualizadíssima Fernanda Young.

                                 Sinceramente, Martha Medeiros é uma grande escritora e nunca precisou destilar veneno contra biótipos de revista masculina. Marília Gabriela, da mesma maneira. Maitê Proença. E são todas mulheres absolutamente sensuais apesar de cultas. Já que, segundo Fernanda, uma coisa há de ser dissociada da outra.

                                    Fernandinha, quer resolver teus grilos, bota um silicone, troca de marido, experimente sexo com alguém que fale em você durante a transa. Com um cara que te enxergue. Mas por favor, poupa meus olhinhos de tanta besteira. Te resolve, querida, cada macaco no seu galho. Afinal, tanta crítica ácida e gratuita só pode ser duas coisas: ou você é exatamente igual àquilo que critica ou gostaria de ser. No caso, ficamos com a segunda opção.

Anúncios