geisyUm dos meus maiores motivos de discussão com a minha mãe sempre foi seu machismo exacerbado. Diante de tantos comentários a respeito do vestido rosa-shocking da moça da Uniban essa semana, lembrei de algumas pérolas proferidas pela dona Neca ao longo das duas décadas em que dividimos o mesmo teto. Minha mãe, até hoje, adora dizer: -“Sim, usa uma saia desse tamanho e depois ainda vai querer reclamar se for estuprada.”

                        Passei anos da minha vida me desgastando tentando convencê-la do quão retrógradas eram suas opiniões e nada mudou. Nem mesmo quando minha irmã sofreu uma tentativa de estupro, minha mãe aliviou. Lembro dela me recriminar porque levei a caçula à delegacia prestar queixa. Segundo ela, era uma história que deveria ser mantida em sigilo, não se devia dar maiores dimensões ao “incidente”. E por séculos a fio, desde a Idade Média, em que uma mulher não era mais que uma propriedade do homem, agimos assim. Caladas mesmo que ultrajadas na nossa condição de mulher.

                          Não quero discutir aqui se o traje da Geisy era ou não adequado ao ambiente. Se não o fosse, que tivesse sido barrada na entrada da faculdade e pronto. Mas deixemos a hipocrisia de lado. Moro numa cidade de praia e minhas colegas [e admito, eu mesma] em pleno verão usamos saias curtas e shortinhos para assistirmos às aulas. O que não dá o direito de colega nenhum nos xingar ou nos desmoralizar pelos corredores da instituição. Aliás, esse tipo de vexame só acontece porque existem mães demais como a minha soltas por aí.

                              Se algum dia eu tiver filhas, certamente não as ensinarei a manter a classe diante duma construção quando os homens proferem barbaridades que não se escreve ao passarmos em frente. A coragem masculina é muito tênue. Eles só se sentem fortes quando em bando -exatamente como babuínos- para ultrajar uma mulher. E sabem que esta terá como único recurso o silêncio. Ainda que se sinta violada na situação. Foi treinada [domesticada] durante séculos a não reagir. Ser mulher é ter classe, é não descer do salto. A classe nos impõe o silêncio. Pois vou ensinar as minhas filhas que descer do salto se faz necessário em alguns momentos. E aliás, é uma arte.

                              Depois de tanto me sentir humilhada em situações similares, aprendi a dar um bom escândalo. Como diria a Verinha, a gente se sente aliviada depois de dar um escândalo. Renovada. Nada como um bom “gritedo” como se diz no RS. Quer me falar o que quer quando passeio de legging no calçadão da praia? Ok. Vai ouvir o que não quer também. Quer aproveitar uma balada apertada para passar a mão na minha bunda sem minha permissão? Isso, automaticamente, vai selar um acordo entre nós: apertarei seus testículos também -duma maneira nada agradável. Quer gritar “gostosa” em plena Av. Atlântica enquanto eu saio do bar de minissaia? Ok. Aguenta a resposta constrangedora com direito a xingar a sua mãe.

                          Lógico que nenhuma das “medidas-Bruna” resolveriam o caso Geisy. Mas certamente se mais Brunas agissem por aí, talvez os homens não se sentissem numa posição superior à da mulher. Posição esta que lhes confere o “direito divino” de agredir física –ou verbalmente- elas. Os adjetivos “puta”, “vadia” e similares que ecoaram pelos corredores da Uniban foram uma demonstração ridícula de hipocrisia e chauvinismo. Aliás, o argumento prostituição nesse caso também é descabido. Se a guria se prostitui ou não, é irrelevante.

                        Isso me lembra o caso duma menina que trabalhava como garota de programa na minha cidade e um dia levou uma surra dum cliente covarde. Quando ela tentou prestar queixa, os policiais se recusaram a aceitar porque a moça era prostituta. E o que uma coisa tem a ver com a outra? Ela ganhava por sexo, não para ser espancada. Isso quer dizer então que podemos atear fogo no cara porque ele é índio. Espancar uma coitada no ponto de ônibus porque ela é empregada doméstica. Matar a pauladas uns sujeitos que estavam dormindo na calçada porque são mendigos. O fundamento da argumentação é a mesma. O único diferencial é que na questão prostituição trazemos o velho tabu sexual a baile. E quando se fala em sexo, volta-se aos instintos primitivos.

                             Papelão maior foi da faculdade que expulsou a guria sem noção. A medida cabível era advertência por vestimenta inapropriada. Agora, para a galerinha que fez o bafafá todo, bom, pra esses, não tem desculpa, cabem sanções criminais, afinal, incitar estupro não é brincadeirinha de pré-escola. Todo mundo numa faculdade sabe exatamente o que está fazendo. E sabe que estupro é crime de caráter doloso.

Anúncios