tatuagem feminina caveira

Aos que me conhecem, sabem como aprecio os nossos poetas e portanto, faço minhas as palavras de um dos homens da minha vida (sim, na adolescência sonhava ter sido uma das musas de Vinícius de Moraes).

Quando me perguntam porque ando tão quieta, é porque a vida está agitada, coração cheio de amor, fazendo malas, novos rumos, meus velhos e lindos amigos retornando. Ando muito feliz, não há nada para desafogar daqui por enquanto. Fica meu plágio confesso do intenso Vinícius de Moraes, um homem que não aceitava viver sem paixão, famoso por seus nove casamentos, devotado de corpo e alma às amadas enquanto o amor durasse.

Diplomata, boêmio, fumante e sempre apaixonado, um homem que nunca aceitou viver com menos do que merecia. Nisso, poetinha, somos iguais. Se não for para morrer de amor, que venha o próximo!

A UM PASSARINHO

Rio de Janeiro , 1946

Para que vieste
Na minha janela
Meter o nariz?
Se foi por um verso
Não sou mais poeta
Ando tão feliz!  (…)

MORAES, Vinícius de

Anúncios